Fonte: OpenWeather

    Conscientização


    Alunos de escola pública em Manaus transformam lixo em arte

    O “Conservar, Transformar e Brincar” já embelezou 60 "tambores lixeiras", que foram doados em pontos da capital com intenso fluxo de pessoas

    Muitos alunos tinham que passar por cima do lixo para chegar até a escola
    Muitos alunos tinham que passar por cima do lixo para chegar até a escola | Foto: Divulgação

    Manaus - De acordo com a Secretaria Municipal de Limpeza Urbana (Semulsp), por mês, em Manaus, são retiradas 887 toneladas de lixos dos igarapés, principalmente na época da cheia dos rios. Os igarapés mais atingidos são Franco, Mindu, Mestre Chico, igarapé e bacia do 40, Passarinho e Alvorada.

    Dados divulgados pela secretaria revelam que de janeiro até abril deste ano foram retiradas aproximadamente 3.214 toneladas, algo superior ao ano passado (2018), quando foram removidas 3.116 toneladas. Em média, por dia são 25 toneladas de lixos encaminhadas até o aterro municipal. 

    Mesmo sem apoio, os estudantes saem às ruas em ação para colher materiais recicláveis
    Mesmo sem apoio, os estudantes saem às ruas em ação para colher materiais recicláveis | Foto: Divulgação

    Preocupados com o destino do lixo e com o futuro das próximas gerações, um grupo de estudantes da Escola Estadual Benedito Almeida, localizada no bairro Mauazinho, Zona Leste da capital, criaram o projeto “Conservar, Transformar e Brincar”. Os jovens dão cara nova a lixeiras abandonadas e depois doam para moradores do bairro. 

    A gente não tem ajuda. Então, eu vou para o sinal pedir dinheiro e nas horas vagas trabalho como Uber
    A gente não tem ajuda. Então, eu vou para o sinal pedir dinheiro e nas horas vagas trabalho como Uber | Foto: Divulgação

    De acordo com o professor responsável pelo “Conservar, Transformar e Brincar”, Girleno Menezes, são vários os benefícios da ação, como, por exemplo, incentivar os estudantes a cuidarem do meio ambiente - por meio atividades, que visam transformar positivamente o meio em que eles vivem. 

    “O final do bairro Mauazinho é no rio Amazonas, e os alunos reclamavam muito desse problema com o lixo. Muitos tinham que trafegar em meio ao lixo jogado nas calçadas, então resolvemos realizar atividades que melhorassem essa situação”, afirmou Girleno. 

    Segundo o professor de sociologia, existem poucas lixeiras na via principal do bairro. “Estamos desenvolvendo esse trabalho e doando para escolas municipais, UBSs [Unidades Básicas de Saúde] e terminais de ônibus. Não temos ajuda de instituição privada, então eu vou para os semáforos de algumas avenidas movimentadas para pedir dinheiro e, nas horas vagas, também presto serviços de transporte particular pela Uber para com a verba arrecadada compramos tintas e pinceis”, destacou o educador.  

    No começo do mês de julho, os estudantes foram até o Terminal de Ônibus T3, na Cidade Nova, Zona Norte, realizar uma exposição com as peças recicladas. A ação teve como objetivo sensibilizar a população sobre a importância da conservação, por meio do reaproveitamento de materiais recicláveis.

    Alunas desenvolvendo brinquedos para serem distribuídos aos moradores ribeirinhos
    Alunas desenvolvendo brinquedos para serem distribuídos aos moradores ribeirinhos | Foto: Divulgação

    O projeto já embelezou 60 "tambores lixeiras", que foram doados a pontos de intenso fluxo de pessoas na capital. As próximas doações serão na Cozinha Comunitária, na Vila da Felicidade, e Casa Mamãe Margarida, no bairro São José Operário.

    Um profissional está ensinado aos alunos a desenvolverem seus talentos com o uso de spray
    Um profissional está ensinado aos alunos a desenvolverem seus talentos com o uso de spray | Foto: Divulgação

    “Nós fazemos brinquedos com material reciclado. A comunidade e os alunos fizeram 1,2 mil brinquedos, que foram doados aos ribeirinhos”, declarou Girleno, enfatizando que o maior objetivo do projeto é ocupar o tempo dos alunos com atividades educacionais.

    “Temos um profissional que passa as técnicas de pintura para os alunos que sabem desenhar. Mas, usar o Spray é diferente. Além de desenvolverem essa técnica, eles também estão aprendendo uma profissão”, afirmou. 

    Hoje, estamos com cinco projetos na escola. “Projeto Conservar Transformar e Brincar, Projeto AME, Projeto Futebol Americano na Escola, Projeto Direitos Humanos e Projeto VOZ ATIVA. No dia 17 de julho vamos viajar para Brasília (DF), pois somos os representantes do Amazonas no Parlamento Juvenil Mercosul”, destacou. 

    Latas de lixo que estavam jogados na rua forma recolhidas pelos estudantes e transformadas em arte
    Latas de lixo que estavam jogados na rua forma recolhidas pelos estudantes e transformadas em arte | Foto: Divulgação

    Para a estudante Lara House, de 16 anos, o projeto já faz parte do dia a dia. "O projeto, para mim, significa tudo. Ele está no meu cotidiano. Antes de entrar minha vida, não havia muito sentido, pois eu ia para a escola sem motivação. Quando conheci o professor, ele me apresentou os projetos e eu fui me envolvendo. Hoje, amo o que eu faço. Uma das melhores conquistas foi quando eu viajei para Brasília representando o Amazonas. Além disso, ultimamente integro o parlamento jovem AM", enfatizou a adolescente. 

    Apesar de simples, a atitude faz toda a diferença, na visão da aluna: “Desde o início do ‘Conservar, Transformar e Brincar’, já vemos uma mudança de comportamento nos moradores da nossa comunidade. Eles realmente estão sensibilizados com a ação”, avalia. 

    Os alunos e a comunidade estão envolvidos com o projeto
    Os alunos e a comunidade estão envolvidos com o projeto | Foto: Divulgação

    De acordo com a estudante Lídia Isabelle, de 17 anos, também estudante da E.E. Benedito Almeida e presidente do Grêmio Estudantil Voz Ativa, o projeto é importante para os alunos e para a comunidade. 

    “O projeto é um incentivo para mim e para os outros estudantes. Ele nos ensina o quanto é importante conservarmos e transformarmos o que era para ser jogado no lixo e que ninguém dá importância - isso mudou a nossa vida", contou Lídia. 

    Alunas com brinquedos elaborados com a reaproveitação do lixo
    Alunas com brinquedos elaborados com a reaproveitação do lixo | Foto: Divulgação

    Na visão do professor, o projeto rende bons frutos. “Esses alunos são sensacionais. Estão fazendo palestras e conscientizando a comunidade por onde passam e, mesmo sem apoio, não vamos desistir”, finalizou o professor. Quem quiser colaborar com o projeto, pode entrar em contato com os organizadores por meio do número: (92) 99447-3875. 

    Pauta e edição: Isac Sharlon 

    Leia mais:

    Receba as principais notícias do Portal Em Tempo direto no Whatsapp. Clique aqui!:

    Vídeo: todas as passarelas de Manaus devem ser restauradas neste ano

    Oportunidade: Coletivo Jovem abre novas vagas em Manaus


    Comentários