Fonte: OpenWeather

    Casamento


    No Amazonas, noiva indígena dá à luz e casamento é feito em casa

    Jane e Admilson, da etnia Tikuna, deveriam participar de casamento coletivo indígena, parto impediu casal de se deslocar ao evento

    Durante a cerimônia, Jane, que se recuperava do parto, permaneceu sentada no chão | Foto: Divulgação

    Benjamin Constant- Dois casamentos civis foram celebrados na casa dos noivos nesta quarta-feira (12), na comunidade Porto Alegre, Benjamin Constant, por causa da impossibilidade das mulheres se deslocarem para uma das cerimônias do casamento coletivo que acontecem na cidade.

    Jane Lázaro Inácio Ticuna, de 21 anos, deu à luz seu terceiro filho quando faltavam sete horas para o início da celebração em que estava previsto o casamento dela com Admilson Bibiano Pedro, 22, na comunidade Feijoal, localizada a 15 minutos de lancha do local onde vivem e a cerca de uma hora da sede do município. "Eu mandei recado e o cacique avisou", contou Admilson, que ficou preocupado com a chance de não oficializar o matrimônio.

    Jane assina os documentos de seu casamento
    Jane assina os documentos de seu casamento | Foto: Divulgação

    Uma equipe da Defensoria Pública do Estado (DPE-AM), que organiza o casamento coletivo em parceria com a Fundação Nacional do Índio (Funai) e outros órgãos, foi para a casa dos noivos junto com a juíza Luiziana Teles Feitosa Anacleto. Com a ajuda de um intérprete da etnia Tikuna, o casamento aconteceu no quarto dos noivos, onde o filho mais novo do casal, ainda sem nome, havia nascido horas antes.

    Durante a cerimônia, Jane, que se recuperava do parto, permaneceu sentada no chão. Admilson vestiu um terno e permaneceu ao lado da noiva rodeada pelos outros dois filhos.

    Jane e Admilson trocam beijo ao lado de seu bebê durante o casamento
    Jane e Admilson trocam beijo ao lado de seu bebê durante o casamento | Foto: Divulgação

    "Como magistrada, sinto-me honrada em poder participar desse evento tão sublime e grandioso, um verdadeiro ato de cidadania. Sair do ambiente forense, atravessar os rios do Amazonas é uma experiência ímpar e reafirma o respeito que o poder judiciário nutre pelos povos indígenas, o reconhecimento de suas crenças e contribui para o consolidação do estado democrático e plurietnico", afirmou a juíza.

    Diabética que amputou a perna também casou

    Luiza Gaspar Ferreira, 66, é diabética e teve que amputar o pé direito há uma semana, após uma ferida não se cicatrizar. Ela e Armando Santo Guedes, 63, se casaram na própria residência, na comunidade Porto Alegre, também diante da dificuldade da noiva se deslocar para o casamento coletivo na comunidade Feijoal. 

    Juíza realiza casamento de Luísa Gaspar e seu companheiro
    Juíza realiza casamento de Luísa Gaspar e seu companheiro | Foto: Divulgação

    Com a ajuda do intérprete Tikuna, Armando contou que o casal pretendia realizar o casamento civil para garantir direitos previdenciários na eventual morte de um dos noivos, considerando a idade dos dois.

    “Percebemos que os indígenas querem muito além do direito de oficializar um matrimônio e ter em mãos uma certidão de casamento. De forma eficiente, eles estão chamando a atenção do Estado para acessar outros direitos”, disse o defensor público geral do Amazonas, Rafael Barbosa. “Está claro que estão articulados e conscientes na luta por sobrevivência e para preservação da sua cultura. No que depender da Defensoria, terão apoio irrestrito”.

    Casamento coletivo

    Indígenas Tikuna e Kokama estão formalizando o matrimônio em um casamento coletivo, nesta semana, com mais de 800 casais em Benjamin Constant. As celebrações acontecem desde terça-feira (11) e terminam nesta quinta-feira (13). O casamento é organizado pela DPE-AM em parceria com a Funai, a Corregedoria Geral do Tribunal de Justiça do Amazonas (TJ-AM), a Prefeitura de Benjamin Constant e o Governo do Estado do Amazonas.

    Luísa Gaspar casou em casa com a ajuda Defensoria
    Luísa Gaspar casou em casa com a ajuda Defensoria | Foto: Divulgação

    Os casais vivem em 35 comunidades e foram divididos para quatro cerimônias, que acontecem nas comunidades Feijoal, Filadélfia, Guanabara 3 e São Leopoldo. As celebrações respeitam as tradições culturais dos indígenas, que, com a iniciativa, conseguem oficializar o casamento civil de maneira gratuita. 

    O casamento coletivo também conta com o apoio do Exército Brasileiro, da Marinha do Brasil, do Batalhão de Polícia Militar de Tabatinga e do Distrito Sanitário Especial Indígena do Alto Solimões (DSEI-ARS). As instituições estão dando suporte logístico e de estrutura para a realização das cerimônias, que ocorrem em locais de difícil acesso.

    Localizada na região da tríplice fronteira (Brasil-Peru-Colômbia), Benjamin Constant concentra 16 mil indígenas entre Tikunas e Kokamas, segundo a Funai.

    *Com informações da assessoria 

    Anuncio
    Comentários