Fonte: OpenWeather

    Pandemia


    Terceira idade conectada durante o isolamento social

    Com o uso de aplicativos e redes sociais, pandemia mostrou que a tela pode unir em vez de isolar

    Idosos tiveram que se adaptar às atividades remotas e a distância durante a pandemia do coronavírus
    Idosos tiveram que se adaptar às atividades remotas e a distância durante a pandemia do coronavírus | Foto: Alexandre Sanches

    Manaus – No Brasil, há mais de 30 milhões de pessoas com 60 anos ou mais, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Essa expressiva parcela da população teve de se adaptar às atividades remotas e a distância durante a pandemia do coronavírus. Resultado: mudou a forma de consumo também, ficando mais digitalizada.

    Atualmente, mais de 28 milhões de brasileiros compõe a terceira idade e um quarto dessa população já se encontra online, seguindo como “o grupo que mais cresce em rede social”. Este é o caso de Maria Auxiliadora Arcanjo, 75, utiliza as mídias sociais há bastante tempo e se sente acolhida no meio virtual. Ela conta que gosta de estar conectada devido a facilidade para conversar e para assistir vídeos divertidos.

    “Uso as redes sociais durante muito tempo. Para mim, ajuda bastante porque não preciso está ligando, posso falar pelo whatsapp e saber como estão as minhas amizades, gosto principalmente de conversar com minha família e amigos. Confesso que acho bastante divertido, fico assistindo vídeos e até faço videochamada, pois às vezes estou sozinha em casa”, comenta.

    Atualmente, mais de 28 milhões de brasileiros compõe a terceira idade e um quarto dessa população já se encontra online
    Atualmente, mais de 28 milhões de brasileiros compõe a terceira idade e um quarto dessa população já se encontra online | Foto: Arquivo Pessoal

    Durante a pandemia, que contou com isolamento social, Maria Auxiliadora disse que as redes sociais ajudaram bastante na questão de informação e comunicação com as pessoas.

    “Utilizar essas plataformas me ajudaram muito, pelo simples fato de não poder sair de casa e estava sempre sabendo de notícias sobre meus familiares, amigos e até vizinhos. Eu gosto de estar por casa, então agora com a pandemia principalmente fico conectada com as pessoas que me conhecem, falo bastante com a minha irmã que mora em Itacoatiara por videochamada e ligação pelo whatsapp”, relata.

    Levantamento do SPC Brasil, 71% dos idosos brasileiros são responsáveis por uma renda anual de R$ 243 bilhões, dessa forma, o mercado nacional tem buscado o atendimento principalmente por esse público.

    Home Office e Entretenimento

    Para grande parte da população o teletrabalho foi uma das opções viáveis diante do isolamento social da Covid-19.  

    A Rosemay Oran, 60, contadora, explica que resolveu criar contas em redes sociais anos depois de perceber que as notícias e as pessoas que conheciam também estavam migrando para esse espaço.

    A contadora relata que o isolamento social possibilitou que a utilização das plataformas fosse bem maior
    A contadora relata que o isolamento social possibilitou que a utilização das plataformas fosse bem maior | Foto: Arquivo Pessoal

    “Em 2011, eu resolvi criar perfis nas redes sociais para interagir e ficar cada vez mais atualizada com as notícias e esse universo virtual. Durante o dia a dia, elas me ajudam bastante, principalmente como ferramenta de trabalho e, também como entretenimento”, revela.

    A contadora relata que o isolamento social possibilitou que a utilização das plataformas fosse bem maior, mas que também sentia o tempo passar mais rápido e podia se comunicar com conhecidos, aliviando o momento.

    “Durante a pandemia, que ainda está acontecendo, as mídias sociais, facebook, instagram e whatsapp me ajudaram muito para ocupar o tempo em que estávamos em isolamento social, não só isso, mas por meio dela eu também podia interagir com os meus amigos, familiares e eu me sentia bem mais feliz”, comenta.

    População crescente

    No ano de 2012 a 2018, a população brasileira com 65 anos de idade cresceu 26%, durante 13 anos recuou 6%, conforme pesquisa Características Gerais dos Domicílios e dos Moradores 2018, divulgada em maio do ano passado pelo IBGE.

    Com a popularização do smartphone e do computador, a facilidade para entrada dessa parte da população nas redes sociais é bem maior. Conforme dados do IBGE, 60,9% possuem celular para uso próprio e 24,7% utilizam a internet, sendo 56% desse grupo com um número crescente no facebook.

    Visto que as tecnologias apenas avançam, é necessário a inserção dessa população no meio digital, podendo resultar em benefícios, como aprendizado e autonomia.

    Para a psicóloga Michele Barbosa, a utilização das redes sociais podem contribuir para o estímulo à comunicação. "Para a terceira idade é importante e muito saudável utilizar as redes sociais, pois, os filhos crescem e formam suas famílias, logo o idoso fica sozinho. Muitas vezes, conversar com alguém que fez parte da sua história, falar com pessoas que gostam das mesmas coisas, tem os mesmos assuntos e notícias de interesse, estilo de vida, auxilia e muito a reviver antigas e novas amizades", comenta.

    Para ela, durante a pandemia, as redes sociais são aliadas para o aprendizado e diminuem a solidão e o isolamento desse público. 

    "Todos os transtornos gerados pela pandemia, tendem a despertar sentimentos como solidão, estresse, ansiedade, tristeza e depressão. E os pontos positivos das redes sociais são principalmente a proteção sem isolamento, aprendizados e informação sem alienação. Estamos em outro tempo, onde a tecnologia nos aproxima mesmo sem o contato físico, amenizando a saudade e as preocupações", enfatiza. 

    Leia Mais:

    Três abrigos de idosos no AM recebem parte dos R$ 3 milhões do Governo

    Estudo comprova que diabetes afeta a memória dos idosos

    Senado aprova projeto que facilita denúncias de maus-tratos a idosos

    Comentários