Fonte: OpenWeather

    Educação


    Professores da rede municipal de Pauini realizaram protesto

    Protesto é contra o atraso de pagamento dos professores e a falta de merenda nas escolas nas áreas indígenas e rurais

    Segundo os manifestantes, a folha de pagamento de pessoal do Fundeb, está repleta de servidores inativos | Foto: Divulgação

    Professores e servidores da educação do município de Pauini (distante a 923 Km de Manaus) fizeram uma manifestação neste domingo (6) no município denunciando publicamente a precariedade da educação no município na gestão da prefeita Eliana Amorim.

    O Sindicato dos professores protestam contra o atraso de pagamento dos professores e a falta de merenda nas escolas nas áreas indígenas e rurais. "Tudo isso indica forte indícios do desvio de recursos da merenda escolar, o não cumprimento dos 200 dias letivos e das 800 horas anuais no interior do município, descumprindo o que exige legislação", afirmou  nota do sindicato.

    O Ministério Público Federal já havia se manifestado recomendando a reposição de aulas no interior do município em 2018 referente as aulas não ministradas no ano letivo de 2017.

    Segundo os manifestantes, a folha de pagamento de pessoal do Fundeb, está repleta de servidores inativos, 'fantasmas'  e outros em desvio de função.

    Os professores exigem a realização do concurso público para evitar as contratações temporárias ilegais, que o próprio Ministério Público Estadual, já denunciou judicialmente, por meio de uma ação civil pública.

    Os professores exigem a realização do concurso público para evitar as contratações temporárias ilegais
    Os professores exigem a realização do concurso público para evitar as contratações temporárias ilegais | Foto: Divulgação

    Os professores mencionaram ainda o atraso no repasse do dinheiro do Centro Esperança, instituição da Igreja Católica que presta relevantes serviços pra sociedade, atendendo alunos de famílias carentes com aulas de reforço escolar, cursos profissionalizantes, esporte, e outras atividades artísticas e culturais.

    Os educadores protestaram também contra a atual gestão pela suspensão da concessão de bolsas de estudos para  os novos alunos aprovados em vestibulares para cursar universidade fora do município. A prefeita Eliana Amorim prometeu na eleição de 2016 que manteria a concessão de bolsas de estudos, e afirmou ainda que concederia um auxílio moradia para os universitários, entretanto não cumpriu a promessa de campanha, enganando os estudantes.

    *com informações da Assessoria

    Comentários