Fonte: OpenWeather

    Amazônia


    Amazonas cai para 7º no ranking de focos de calor na Amazônia Legal

    Dos 11.142 focos registrados na Amazônia Legal nos nove primeiros dias de setembro, somente 819 ocorreram no Amazonas, colocando o Estado em 7º no ranking nacional de queimadas.

    De acordo com o secretário estadual de Meio Ambiente, Eduardo Taveira, o mês de setembro costuma registrar aumento de queimadas em toda a região amazônica
    De acordo com o secretário estadual de Meio Ambiente, Eduardo Taveira, o mês de setembro costuma registrar aumento de queimadas em toda a região amazônica | Foto: Divulgação
     

    Manaus - Dos 11.142 focos registrados na Amazônia Legal nos nove primeiros dias de setembro, somente 819 ocorreram no Amazonas, colocando o Estado em 7º no ranking nacional de queimadas. Segundo dados do  Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o Amazonas reduziu 73,38% o número de focos de calor em comparação ao mesmo período em 2018, quando foram registrados 3.077 queimadas na região. 

    Amazonas amplia as atividades de educação ambiental nas áreas críticas, com estratégias para reduzir os danos à floresta.
    Amazonas amplia as atividades de educação ambiental nas áreas críticas, com estratégias para reduzir os danos à floresta. | Foto: Divulgação
     

    Durante o mês de agosto, o Amazonas estava em 3º no ranking de estados com mais focos. Em setembro, o estado caiu para a 7ª posição.

    Focos de calor na Amazônia

    No país, lideram o ranking, entre os dias 1º e 9 de setembro de 2019, os estados de Mato Grosso (4.009 focos), Tocantins (1.734), Pará (1.489), Rondônia (1.150), Maranhão (987) e Acre (931).

    O Amazonas registrou 819 focos, seguidos dos estados do Amapá, que teve apenas 20 focos, e Roraima, com três.

    A queda no número de focos é resultado das ações em campo realizadas no sul do Amazonas pelas operações Curuquetê e Verde Brasil, coordenadas pelo Governo do Amazonas e Governo Federal, por meio do Exército Brasileiro.

    Estiagem

    A queda no número de focos é resultado das ações em campo realizadas no sul do Amazonas pelas operações Curuquetê e Verde Brasil
    A queda no número de focos é resultado das ações em campo realizadas no sul do Amazonas pelas operações Curuquetê e Verde Brasil | Foto: Divulgação
     

    De acordo com o secretário estadual de Meio Ambiente, Eduardo Taveira, o mês de setembro costuma registrar aumento de queimadas em toda a região amazônica devido à intensificação da estiagem, por isso o órgão continua atento ao monitoramento e segue realizando ações de educação ambiental. “A Sema e os demais órgãos estaduais e federais intensificaram as ações de combate aos focos de calor neste período, que historicamente registra altos índices de queimadas. Estamos ampliando as atividades de educação ambiental nas áreas críticas, com estratégias para reduzir os danos à floresta. Os resultados divulgados nesta semana evidenciam o trabalho da força-tarefa estadual e federal”, reforçou.

    O diretor-presidente do Ipaam, Juliano Valente, destacou que as ações de fiscalização estão seguindo para outros municípios no sul do Estado, evitando que as queimadas voltem a crescer.
    O diretor-presidente do Ipaam, Juliano Valente, destacou que as ações de fiscalização estão seguindo para outros municípios no sul do Estado, evitando que as queimadas voltem a crescer. | Foto:
     

    O diretor-presidente do Ipaam, Juliano Valente, destacou que as ações de fiscalização estão seguindo para outros municípios no sul do Estado, evitando que as queimadas voltem a crescer. “Iniciamos a operação com foco maior em Apuí e Humaitá, que lideravam o número de focos, e tivemos uma redução significativa. Apuí, que liderou o número de focos em agosto, saiu da lista dos municípios com mais focos no país e até mesmo da lista estadual. Identificamos agora que o problema começou a migrar para outros municípios, como Lábrea e Boca do Acre, e estamos reforçando a ação nestas áreas. Continuamos usando inteligência e tecnologia para apoiar as operações, garantindo maior efetividade”, disse.


    Comentários