Fonte: OpenWeather

    Sexo


    Sexo no pós-parto: existe regra para voltar a praticar?

    Especialistas falam sobre dificuldades que as mulheres enfrentam ao retomar sua vida sexual

    Mesmo após os 40 dias do pós-parto a mulher pode não se sentir pronta para o sexo | Foto: Freepik

    Mesmo após os 40 dias do pós-parto a mulher pode não se sentir pronta para o sexo
    Mesmo após os 40 dias do pós-parto a mulher pode não se sentir pronta para o sexo | Foto: Freepik

    Manaus - O período pós-parto é um momento muito intenso na vida de uma mulher. Seu corpo acabou de passar por uma experiência como nenhuma outra. Além disso, a nova mamãe ainda tem que se adaptar à rotina de uma criança que depende 100% dela. Nesse contexto, a vida conjugal acaba sendo uma grande tensão. Nem sempre é fácil retornar às atividades sexuais. Conversamos com especialista para entender melhor este período delicado na vida da mulher. 

    A ginecologista e obstetra Mariana Telles é especialista no assunto. Nas redes sociais ela compartilha diversas dicas sobre saúde feminina. 

    Você já deve ter ouvido falar na quarentena, ou período de resguardo. Trata-se dos 40 dias após o parto, período onde o útero precisa se restabelecer do grande impacto que foi a saída do bebê. 

    Mariana explica que neste período, o ideal é que a mulher se abstenha de sexo, é o que preconizam os livros e o que indica a especialista. Antes e depois desses 40 dias, ela aconselha que o ideal é ir ao ginecologista, para que a mulher seja examinada e orientada antes de reiniciar sua vida sexual. 

    Algumas das queixas comuns que ela ouve no consultório são:

    Ressecamento - as alterações hormonais e a amamentação geram na mulher o ressecamento vaginal. Esta condição pode acabar fazendo com que o ato sexual seja doloroso e desconfortável.

    Medo de abrir os pontos da cirurgia - esta é uma das principais inseguranças físicas que as mulheres enfrentam. No entanto, a médica diz que o período de 40 dias é suficiente para que a cesariana cicatrize. Na dúvida, é importante sempre consultar um médico. 

    Flacidez - partos vaginais podem acabar deixando a musculatura flácida. As queixas sexuais aparecem com a diminuição da sensibilidade, desconforto na penetração, perda da lubrificação, dificuldade de atingir o orgasmo e eliminação de flatos (gazes) vaginais, que causam constrangimento e inibição. A vagina é toda revestida de colágeno dando a capacidade de esticar e voltar ao tamanho normal. Para isto, a médica indica o tratamento com Fraxx, que estimula a produção de colágeno na região, melhorando a aparência da pele e estruturando mais firmemente as paredes vaginais.

    Existem algumas mulheres que quebram a quarentena. Quem opta por se arriscar pode estar sujeita a infecções uterina, vaginal e urinária. 

    Uma dica de ouro da médica é iniciar o método anticoncepcional nessa fase. Pois já na primeira relação pós-parto a mulher pode engravidar outra vez. 

    “O ideal mesmo é ir na consulta antes de fazer qualquer coisa”, orienta a médica com muito bom humor. O acompanhamento de um especialista é fundamental para que a saúde desta mulher esteja em segurança. 

    Sexualidade no pós-parto

    Além das questões fisiológicas, a mulher também sofre grande pressão psicológica, uma vez que seus hormônios estão agindo de forma mais intensa em seu corpo. Junto desta questão, ela ainda passa pela maternagem - período em que assume a identidade de mãe - e a questão do próprio desejo sexual. 

    A mulher também sofre grande pressão psicológica ao se tornar mãe
    A mulher também sofre grande pressão psicológica ao se tornar mãe | Foto: Pixabay

    Neyla Siqueira, psicóloga e sexóloga em formação, administradora do perfil no Instagram @amorsexoeafinss,  explica que a sexualidade da mulher pós-parto está sob forte interferência hormonal. É normal que ela não tenha desejo sexual, mesmo após os 40 dias. “Para voltar a praticar, ela precisa se sentir pronta e querer”.

    Ao mesmo tempo, tem outras mulheres que voltam a ter o desejo sexual de forma imediata. Não existe uma regra, no ponto de vista psicológico - apenas os 40 dias indicados pelos médicos. O momento certo é quando a mulher quer. 

    “Querendo ou não, é um novo corpo, uma nova forma, são questões que precisam ser consideradas pela mulher e pelo homem”, conta Neyla. 

    A rotina também pode ser um grande inimigo do desejo sexual, uma vez que esta mulher enfrenta o cansaço de ser mãe. A dica da psicóloga é que exista muito diálogo entre o casal. “Tem que pensar em posições diferentes, formas diferentes de fazer sexo, que respeitem este novo corpo”, complementa.

    Acima de tudo, a mulher precisa saber que existem alternativas e procurar ajuda para vivenciar a sexualidade após o parto. 

    Edição e Pauta: Rebeca Mota

    Anuncio
    Comentários