Fonte: OpenWeather

    Crime


    Corpo em estado de decomposição é encontrado em ramal no Tarumã

    O homem estava com marcas de tiros e ainda não foi identificado

    Moradores da área encontraram o corpo | Foto: Josemar Antunes

    Manaus - O corpo de um homem, ainda não identificado, foi encontrado com marcas de tiros, no início da tarde desta terça-feira (13), no ramal do Mediterrâneo, nas proximidades do Condomínio Residencial Rio Belo, no bairro Tarumã, na Zona Oeste de Manaus. 

    Segundo informações do sargento Elijelza Valentim, da 19ª Companhia Interativa Comunitária (Cicom), a equipe policial foi acionada, por volta das 12h20, após uma denúncia anônima feita ao 190 do Centro Integrado de Operações de Segurança (Ciops).

    O corpo estava com marcas de tiros
    O corpo estava com marcas de tiros | Foto: Josemar Antunes

    "Um trabalhador que passava pelo ramal avistou vários urubus. Ao olhar para a área de mata deparou-se com uma sandália de cor branca, de número 35, o que chamou sua atenção. Ao verificar o local, encontrou o corpo. A vítima apresenta marcas de tiros, principalmente na cabeça", explicou sargento Elijelza Valentim. 

    Uma moradora da localizada relatou à reportagem que três pessoas já foram assassinadas no ramal. "Moro no local há 8 anos, mesmo com esses três registros de crimes, ainda me sinto segura", comentou. 

    Cápsulas foram encontradas no local
    Cápsulas foram encontradas no local | Foto: Josemar Antunes

    O corpo estava sem estado de decomposição. O homem estava trajando bermuda de cor azul e uma camisa vermelha com mangas longas também na cor azul. A suspeita é de que o homem tenha sido morto há pelo menos três dias. 

    Conforme a perícia criminal do Departamento de Polícia Técnico-Científica (DPTC), o homem foi morto com três tiros no rosto. O corpo foi removido para o Instituto Médico (IML).

    Pelas caraterísticas, a polícia acredita que o crime tenha sido um acerto de contas relacionado ao tráfico de drogas. A Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS) investiga o assassinato.

    Comentários